Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Este time jogava por música

Em 1985, o caldeirão cultural fervia em Salvador, era época do deboche do grande tricolor Luís Caldas, o precursor do Axé Music, os ritmos afros também começavam a despontar, saindo das periferias e chegando ao grande público. Ou seja, o clima era dominado pela música, era alegria e festa na cidade que todo mundo é d’Oxum.



Foi neste clima que o Bahia montou um time desacreditado e formado por desconhecidos para a disputa do campeonato brasileiro. O elenco era formado por jogadores oriundos do próprio clube, do interior do estado e de times do sul e sudeste. O técnico era o Paulinho de Almeida e O time base era: Roberto Bahia, Edinho, Estevam Soares, Celso e Miguel; Sales, Leandro, Emo e Marinho; Robson e Ronaldo Marques. Alguns jogadores como Toinzinho, Helinho e Ademir Patrício entravam sempre e correspondiam. O forte sem dúvidas era o meio-campo.

Com este time, o Bahêa surpreendeu e terminou a 1ª fase do campeonato em primeiro, com 26 pontos, sendo 10 triunfos (à época correspondia a 2 pontos), 6 empates e 4 derrotas; 27 gols a favor e 19 contra. Tabela completa em: http://www.bolanaarea.com/brasileirao_1985_fase1_grs_a-b.htm

Além da pontuação expressiva o Tricolor goleou o Grêmio e Ceará, ganhou do Galo e Porco fora de casa, ganhou em casa e fora do campeão, o Coxa, campanha de respeito, uma das melhores, se não a melhor de todos os campeonatos. Para quem não viveu esta época, e para quem viveu matar saudades, seguem alguns vídeos:

O campeonato parou para a disputa das eliminatórias, o Bahia perdeu algumas peças e não manteve o ritmo. No último jogo do campeonato, perdeu para o Brasil de Pelotas em SSA, com a torcida torcendo contra, fato inédito, e tirou o Flamídia da semifinal.
Mas, qual o motivo do título e do 1º parágrafo falarem de música e não de futebol? Para mim, jogar por música significa o time atuar com a harmonia de uma orquestra, sem sacrifício nos movimentos e emocionando a quem ver, como exemplo cito o Brasil de 1982 e o Barcelona de Guardiola.

O BAHIA de 1985 foi além, o bom futebol foi apenas uma das partes do belo espetáculo de todo jogo na Fonte. Não sei como, nem me lembro em qual jogo começou, mas a torcida ditava o ritmo do time e inibia o adversário por meio de palmas, a bola rolava de pé-em-pé e não raro acabava na rede. Era um espetáculo difícil de descrever, só sei que era de arrepiar ouvi a multidão batendo palmas no ritmo afro, que tão bem representa nossa torcida, e o time em campo tocando a bola e dominando quem por ali se aventurasse. Nem o time Campeão Brasileiro em 88 conseguiu mesclar com tanta magia a tríade que domina os baianos, BAHÊA, CARNAVAL e RELIGIOSIDADE.

O ritmo que chega mais perto das palmas é a levada desta música do grande tricolor Ricardo Chaves, https://www.youtube.com/watch?v=BlDDq9Ev9uY

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.