Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Rápido e caceteiro (5)

Rápido e caceteiro (5)




A chegada de Ney Pandolfo: sou do tempo que a torcida esperava ansiosa pelo anúncio da contratação de jogadores, quem não se lembra da chegada de Dadá Maravilha e Sena em 1981, sendo que em três jogos com casa cheia contra os pequenos do campeonato baiano, a torcida pagou os dois; da vinda do trio da Catuca, Zanata, Bobô e Alcir; e mais recentemente do fracassado trio Carlos Alberto, Jóbson e Ricardinho. Entretanto, agora os tempos são outros, primeiro discutimos nas chamadas redes sociais quem será o diretor de futebol, o cara que comandará as contratações e será o “bode expiatório” do presidente quando tudo der errado. Sendo bem sincero, não tenho muito saco para este tipo de análise, ainda espero é a chegada dos caras que vão entrar em campo para ganhar ou perder os jogos. No domingo, o Bahia anunciou o “desconhecido”, pelo menos para mim, Ney Pandolfo que estava no Sport. Lá ele fez um bom trabalho, o Sport foi campeão do NE em 2014 e se manteve com relativa tranqüilidade na Série A em 2014 e 2015. Vejo como positivo a vinda de um profissional que estava no NE, melhor do que trazer os “medalhões” do SE, que vivem uma realidade bem distinta da nossa. Olhando de longe, o grande mérito que vi no trabalho de NP no Leão da Ilha, nosso freguês, foi recuperar Diego Souza e André, dois jogadores com históricos recentes de problemas, mas que voltaram a ter foco e desenvolveram bom papel em campo.

Pittoni: a novela Pittoni continua, por sinal aquela musiquinha e o choro do entrevistado no final da entrevista lembram um dramalhão mexicano da pior espécie. Fui um dos torcedores que pediam Pittoni, sempre o achei o jogador mais lúcido do nosso meio-campo, mas é inegável a queda de rendimento do mesmo no segundo semestre, os precisos passes e a visão de jogo tão presentes no primeiro semestre desapareceram, chances não faltaram, ele que não correspondeu. Na entrevista, o mesmo culpa os treinadores por sua ausência do time, faz uma rápida mea-culpa, mas não explica claramente porque caiu tanto de produção. O jogador não falou claramente, mas deixou nas entrelinhas que gostaria de permanecer. Quando perguntado sobre o assunto, MS tergiversou, na minha opinião, por ele, Pittoni não continua. Se for assim, siga seu caminho paraguaio e boa sorte, se ficar, volte a jogar aquele futebol consciente do primeiro semestre.

Entrevista de MS: não vou me alongar, só quero saber que porra MS fez durante 2015 quando identificou a seguinte situação: “A gente notou que parte dos jogadores que estavam conosco não tinha o compromisso que a gente exigia”. MS, a Nação Tricolor aguarda seu pronunciamento.

Divisão de base: semana para esquecer, perdemos as finais do infantil e juvenil do campeonato baiano, e caímos nas quartas-de-final da Copa do NE no sub-20. Estas derrotas somadas ao “fracasso” da maioria das promessas lançadas no time profissional acendem a luz amarela para nossa divisão de base, o bonito discurso de MS para as categorias inferiores precisa sair do papel. Só um desconto para a meninada, ganhamos do Dragão com um time formado basicamente pelos moleques, com um bonito gol de Vítor, um dos 3 da base que se salvaram em 2015, somo a ele, GB Ninho, tão criticado aqui neste blog, e Jeanzinho, um goleiro que mostra ter futuro, mas não podemos queimar etapas como fizemos no primeiro semestre, forçando a titularidade do arqueiro, e no segundo com o volante e com o lateral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.