Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Uma hora a bola entra: PEGA PORRA

Uma hora a bola entra: PEGA PORRA


  

Nem sei como começar este post, só sei que voltei ao passado em vários momentos durante o jogo. Na hora do gol, me veio à mente o tradicional grito de gol da minha adolescência em SSA, o baianíssimo PEGA PORRA, sendo a intensidade diretamente proporcional à dificuldade do gol e à atuação do goleiro adversário, por sinal só pela aquela defesaça na cabeçada de Valongo no primeiro tempo, o goleiro do Tigre merece um sonoro PEEEEGA POOOOORRA.
A forma como veio o triunfo, com um gol no final, no pior momento do time em campo; a festa da torcida durante toda a partida, hoje sim a Nação que ganha jogo e orgulha a todos; a entrega do time, vencendo o cansaço no final; e a confraternização entre jogadores e torcida no final, me fez lembrar os diversos momentos felizes que passei na Fonte, como não lembrar do gol de Raudinei no título baiano de 1994.
Com relação ao jogo, desde o início, o Bahia jogou com muita intensidade, pressionando a saída de bola do Criciúma, mas era nítida a falta que Souza fazia na posse de bola da equipe, TR, com características diferentes, não conseguia desempenhar o mesmo papel de Ferrugem. Abro um parênteses para destacar a participar efetiva de Eduardo na armação do time, hoje longe de merecer o apelido de Fantasminha. Depois da pressão inicial, o Tricolor tirou o pé, mas bastou um lance perigoso dos caras, em uma das dezenas de bolas perdidas por Maxi, para o Bahia acordar, e o que se viu a partir daí foi um ataque contra defesa, e pelo menos 3 chances claras de gol desperdiçadas.
Antes de falar do segundo tempo, abro outro parênteses para falar de JPP, o moleque tem disposição, aparece muito, parte para cima e ajudou barbaridade na marcação pela esquerda, entretanto, por vim de um centro mais fraco, ainda carece de melhor qualidade e tranquilidade na definição das jogadas. 
Na etapa final, o Bahia começou com a mesma intensidade e sufocou o Criciúma, destaco que eles marcaram muito bem, mas mesmo assim, o Bahia chegava com muita facilidade, pois atacávamos com até 8 jogadores, só ficavam atrás o 2 zagueiros, por sinal Valongo, com exceção dos lançamentos, fez mais uma bela apresentação, os laterais pela primeira vez na Série B avançavam com qualidade. Charles, mais uma vez enxergou o jogo e alterou bem, e os jogadores que entraram corresponderam.
Como a bola teimava em não entrar, o Bahia cansou e perdeu volume de jogo, aí entrou a nação que não deixou o time desistir e nossa estrela brilhou de novo, em um excelente cruzamento de Vítor, Kieza brocou, se emocionando e emocionando a nação e mantendo acesa a chama do acesso.
Faltam 3 triunfos e 1 empate em 6 jogos, sendo 3 em casa, faltam 10 pontos em 18,  precisamos de um aproveitamento de 55,55%, bem melhor do que os 63% necessários algumas rodadas atrás. Os números voltaram a ser favoráveis, ninguém segura mais o Esquadrão e sua Nação, SÉRIE A, SE PREPARE QUE VAMOS TE USAR.
Só para finalizar, estava com tanta fé neste triunfo, que aos 30 minutos do segundo tempo, liguei o computador e escrevi a primeira parte do título deste post, uma hora a bola entra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.