Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Rápido e Caceteiro (11)

O que os jogadores nos dizem: o futebol sempre teve boas histórias de frases cômicas e marcantes ditas pelos atletas, é impossível não se lembrar das tiradas de Dadá Maravilha, ou mais recentemente de Túlio, algumas ajudaram a alimentar o folclore e apimentaram o nosso futebol. Por outro lado, algumas frases escancaram o lado obscuro do futebol, a mais marcante é a de Vampeta quando atuava pelo Flamengo "Eles fingem que me pagam, eu finjo que jogo".


Ouvir atentamente o que falam nossos digníssimos atletas talvez ajudem a desvendar o mistério de como o Bahia se meteu neste buraco negro na Série B. Algumas das frases expostas a seguir já serviram de base para análises aqui no blog, mas vale repetir:

Feijão:
“Quando você ganha, tudo fica uma maravilha. Está ganhando, ninguém está cobrando, ninguém está falando nada. Quando nós vencemos três seguidas, nós pensamos que éramos o time ‘bam bam bam’ e não é isso".
Hernane:

"Acho que não dá para falar só de trabalhar. Nossa equipe está errando. E não é tática, não é técnico. Não falta raça. Falta companheirismo. Chegamos na frente do gol e não tocamos para o companheiro melhor colocado. Preferimos chutar e fizemos a escolha errada"

Paulo Roberto:

"Talvez pelo o que eu tinha feito no ano passado. Vinha de uma temporada muito boa no Figueirense e achei que no Bahia seria fácil. Vejo que perdia muito tempo. Sabia que não estava confiante, mas não ficava mais tempo nos treinos para aprimorar isso e retomar a confiança. Olhando para trás, vejo isso."

"Hoje posso dizer que venho para o Sport num momento muito melhor do que quando eu cheguei no Bahia. Não me dediquei ao máximo para vestir a camisa do Bahia e vou fazer isso aqui. Vou ouvir tudo que o professor Oswaldo de Oliveira tem para falar para saber o que ele quer que eu faça"
Pelas falas acima, dá para inferir que o elenco do Bahia reúne soberba, falta de cobrança, individualismo, boicote, e corpo mole, ou seja características presentes na maioria dos grupos perdedores, que se contentam em receber o seu, sem dá nada em troca. Infelizmente, este tem sido a tônica do Bahia na Série B. a fala de PR daria uma semana de post, mas é melhor deixar para lá e se concentrar na bola rolando.

Allano: espero e torço para estar redondamente enganado, mas acho que o Bahia fez um péssimo negócio trazendo este jogador. Os números disponíveis no footstast; os vídeos presentes no Youtube; o histórico da carreira, para quem não sabe, quando ele foi parar no Cruzeiro a pedido de Luxemburgo, ele tinha largado a carreira; e as vaias recentes da torcida Celeste demonstram que o atleta não tem currículo para vestir a camisa tricolor. Reitero, espero estar redondamente enganado, mas não vejo futuro nesta contratação. Se ele vingar, terei toda a satisfação de vim aqui e reconhecer minha precipitação no julgamento.

O novo esquema de jogo:  no último jogo contra o Sampaio, Professor Guto entrou com o time no 4-3-3 ou 4-2-3-1 como preferirem, nem preciso dizer que foi um fracasso. O qual atribuo muito ao nosso meio-campo, ou a ausência deste. Com apenas 3 jogadores com características de atuar pelo meio, já que Edigar Junio e Luisinho jogam mais abertos e avançados, não conseguimos prender a bola e ter volume de jogo, nem tão pouco conseguimos por a bola a no chão e trocar passes. Entendo que PG errou, pois na situação que o Bahia se encontra, cabisbaixo e sem confiança, quando mais ficarmos com a posse da bola melhor, pois aos poucos vamos readquirindo o gosto pelo jogo. 

Por isto, acho prudente e necessária as mudanças que PG fez na equipe durante a semana. Com a entrada de Eduardo, espero que o time ganhe qualidade na saída pela LD; porém gostei mais da escalação do meio formado por Feijão, Luiz Antônio, Juninho, Cajá e Allano, jogando no 4-5-1, 4-3-2-1 ou 4-2-3-1 a depender do momento do jogo. Entendo que com três volantes, Juninho poderá encostar mais em Cajá na armação das jogadas e chegar mais para arriscar de fora da área, enquanto Feijão e LA ficam mais na contenção e na proteção das subidas dos laterais. Como vai atuar Allano para mim é uma grande incógnita, mas acho que ele não atuará tão aberto e avançado como EJ, ficará mais fechado e ajudará mais para fechar o meio quando estivermos sem a bola. Outra grande questão é Cajá, o time está montado para ele carimbar todas as bolas, mas se for da forma burocrática que vimos nos últimos jogos, deveremos ter muita dificuldade para criar chances de gol. Bom saber que temos a opção de Régis no banco para alterar a forma do time jogar, já que ele carrega mais a bola e dá mais velocidade ao meio.

De qualquer forma, como disse HB, nosso problema não é [só] táticotécnico, mas muito mais de vontade e entrega como escancarou PR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.