Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Xalalalalalaou, sou tricolor

A ansiedade para sábado é tão grande que mal tenho conseguido ler as notícias do Bahia, tenho me informado apenas pelos grupos do zap. Escrever aqui no blog, nem pensar, a inspiração sumiu neste momento de decisão. Ia matar a angústia da espera vendo o Esquadrãozinho, mas acabei ficando preso no trabalho e fui obrigado a acompanhar pelos posts dos grupos da torcida, só vi os gols depois. Me lembro que em 2010 também foi assim, agonia da porra na espera do jogo da Lusa, mas alegria e satisfação imensas com o acesso coroado com o elevador, o que novamente se avizinha este ano.


Ao contrário deste ano, o time de 2010 se complicava em casa, tomamos 4 do Icasa, empatamos na bacia das almas contra o Vila, porém era matador e cirúrgico fora, brocamos a Ponte e o Sport por 2x1, goleamos a Lusa por 4x2, e vencemos o Coelho por 1x0, em gol prometido e marcado por Jael, O Cruel. Lembro que na sequência Ponte em Campinas, Vila em casa, estava lá em Pituaço, e Sport fora, eu estava em SSA. O jogo contra a Ponte assisti com uns colegas no Ponte Aérea, foi bom demais zoar os vicentinos após a virada tricolor com um gol de fora da área de Ávine e o golaço de Jean Carlos de falta. Na terça, sofri ao lado dos meus cunhados para chegar em e dentro de Pituaço, quando entramos no estádio, o Bahia já perdia por 1x0 e Jael já tinha saído machucado, o Bahia apertou o jogo todo, mas só no final, Adriano MJ empatou em um lance de oportunismo. No jogo do Sport era casamento do meu cunhado, fui tomar banho quando o jogo estava 1x1, depois de minha esposa encher meu saco e literalmente me empurrar para dentro do box. Durante o banho, ouvi a Cidade Baixa explodir de alegria, era o segundo do Tricolor em uma bela arrancada de Vander e a conclusão perfeita de Moraes. Do Jardim Cruzeiro até o Rio Vermelho presencidi e participei da festa e a alegria da Nação, na festa comemorei demais o triunfo tricolor.



No dia que o Bahia brocou o Náutico por 3x0 em Pituaço, com um golaço de MJ, fiz os cálculos e conclui que o Bahia subiria contra o Santo André na penúltima rodada, fechei com a Federal, comprei as passagens e me preparei para a festa. Infelizmente, ou melhor felizmente, o Bahia foi mais eficiente do que pensei e subiu na rodada anterior contra a Lusa. Explico meu erro de cálculo, imaginei que o Bahia brocaria o Brasiliense na Boca do Jacaré, estava lá e a torcida tricolor também, mas o Bahia vacilou demais, em especial no segundo tempo, e perdeu por 3x2, destaco que Rui Cabeção fez a festa em cima de Ávine; imaginei também que o Bahia perderia ou empataria com o Coelho em MG, mas para minha alegria, brocamos, com isto, o triunfo contra a Lusa nos deixou inalcançável pelo quinto colocado.

Dureza foi o dia do jogo contra a Lusa, era no sábado 13/11, na segunda era dia 15, feriado da República, por isto me lasquei. Com a certeza que subiríamos na rodada seguinte, tinha reservado um quarto num hotel da zona rural de Brasília, como a meninada curte estas paradas, não consegui cancelar, lá fui eu para o meio do mato, e o Bahia jogando sua vida em casa. Como bom hotel rural que se preze, lá não tinha tv a cabo, wi-fi não existia naquelas bandas, tive de ouvir, acho que sintonizei na Sociedade, o jogo no computador usando uma conexão por modem, sentado na varanda, já que o sinal não pegava dentro do quarto, um frio de lascar os ossos acostumados ao calor soteropolitano, mas o pior era não poder gritar, pois os chalés eram colados. O Delay era de uns 3 minutos, o sinal caía toda hora, ainda bem que o Bahia foi Bahia e definiu o jogo logo no primeiro tempo. No dia seguinte, todo orgulhoso e feliz, tirei onda com a camisa 2 usada por Daniel Alves e que ganhei de uma amiga repórter do Cartão Verde. Enchia a boca para responder a quem me perguntava se o Bahia tinha subido. A resposta era sempre a mesma, "É claro, e com direito a goleada".

Este ano só vi um jogo no estádio, o triunfo de 1x0 sobre o Vila no Serra Dourada, e vou estar presente na festa contra o Atlético em Goiânia. Assim como em 2010, quero ver um amistoso em clima de festa, com o Bahia já garantido na Série A de 2017, nada de jogo para valer, sofrimento, gol no acréscimo, esquece. Vai ser dia de festa e começaremos cedo na saída do ônibus de Brasília, continuaremos no encontro das Embaixadas e terminaremos na volta para BSB.

Estou muito confiante que subiremos no próximo sábado, pois os números e o histórico do campeonato mostram isto. Vamos aos fatos:

1- o Bahia está imbatível em casa, com exceção do jogo contra o Sampaio, ganhamos sem sustos de todos os adversários no segundo turno na Fonte;

2- a Nação abraçou o time, e eu tenho convicção que quando jogamos juntos, o Bahia se torna imbatível na Fonte. Acompanhar os grupos de SSA no zap me dá a certeza que a torcida se precisar entrará em campo e fará os gols que necessitaremos para vencer;

3- os jogadores estão focados e confiantes como há tempos não vejo no Bahia. A contusão de Juninho, nosso craque no campeonato, com certeza uniu mais o grupo, e os caras não irão deixar escapar a chance da vida deles de entrar para a história de um gigante do futebol;

4- o Tupy, mesmo virtualmente rebaixado, vai complicar o jogo contra o Timbu. Acredito nisto porque foi o que aconteceu com todos os times do G4 que se aventuraram em Juiz de Fora, eles estão invictos contra o G4 em casa;

5- o Náutico não é e nunca foi um time de chegada, perdeu três das últimas cinco partidas, por coincidência as três foram fora de casa, mostrando toda a fragilidade deles longe de Recife.

Enfim, mantenho minha previsão, feita umas 3 semanas atrás, no sábado, 19/11/2016, se iniciará o carnaval em Salvador, ou melhor na Bahia, ou melhor no Brasil, ou melhor no mundo, pois onde tiver um Bahia rolará axé e muita festa. O Bahia sairá da Fonte na Série A de 2017, anotem aí.

#JuntosVoltaremos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.