Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

O banzo da nação tricolor

Recentemente, foi lançado o filme/documentário Axé, ainda não assisti, mas como vivi a década de 80 em Salvador, é obrigação ver. Desta época lembro de várias canções e estou sempre cantarolando, uma delas é Banzo, para quem não se lembra começa com a seguinte estrofe

De banzo eu não sofro,
eu não sofro não.
África oyer no meu coração


Pouco me importava o significado da palavra banzo, mas a sonoridade desta música é contagiante, lembro de uma vez que a ouvi em um barzinho ao lado da Casa de Jorge Amado no largo do Pelourinho, final da tarde, tomando uma com os colegas, tempos inesquecíveis. Com o tempo, a curiosidade aumentou e fui investigar o significado do termo banzo, era como se chamava o sentimento de melancolia em relação à terra natal e de aversão à privação da liberdade praticada contra a população negra no Brasil na época da Diáspora africana, conforme definição atual do Wikipédia.

Quando leio as incontáveis mensagens dos torcedores do Bahia nos grupos do Zap, me passa a impressão que a Nação vive constantemente de Banzo, não tem dia para que eu não leia pelo menos meia centena de mensagens relembrando o time de 88, Paulo Rodrigues, Nonato, Fernandão, Cláudio Adão, Naldinho, Bobô, Ávine, Preto e outros. Relembrar e honrar o passado é uma coisa que devemos fazer sempre, mas viver apegado a ele, como se o presente e o futuro não existem é perigoso, é viver uma realidade que já passou e deixar passar a oportunidade de se criar uma nova, talvez mais promissora e vencedora que a anterior.

Como já disse aqui, acompanho o Bahia desde 1980 quando fui morar em Salvador, e um dos motivos que nos levou a passar 20 anos na era das trevas, como a própria torcida chama, foi a resistência da antiga direção tricolor de mudar seus métodos, de enxergar que na década de 90 não se podia mais administrar um clube como na de 60, de manter a mesma relação com os jogadores que, por sua vez, já não viviam na era romântica do futebol e começavam a entrar na era do profissionalismo.

Nem quero tocar aqui nos erros e acertos da atual diretoria, o papo hoje é com a torcida, hoje a realidade é outra, antigamente, os times do interior da Bahia revelavam jogadores capazes de disputar uma Série A, só para ficar nos campeões nacionais de 88, Edinho Jacaré (Flu de Feira), Tarantini (Itabuna), Sales (Jequié), Claudir (Serrano), Bobô  e Sandro (Catuense), hoje se um moleque faz três gols num intercolegial, já tem um empresário levando para fazer teste nos grandes centros, não por acaso, somente os times do interior de são Paulo ainda revelam jogador em quantidade razoável nos outros estados é um ou outro, ou seja, está cada vez mais difícil garimpar bons jogadores.



Outra coisa, vamos parar com esta de querer comparar jogadores. Bom era Paulo Rodrigues, repete sistematicamente o torcedor, bom não, ele era excelente, na minha modesta opinião, o maior jogador que vi no Bahia, mas passou. Caralho porque temos de cobrar e comparar com este monstro qualquer volante que venha vestir a 5 tricolor? Da mesma forma, comparar qualquer 9 que venha a jogar no Bahia hoje ou amanhã com Cláudio Adão é surreal, o negão era um gênio da grande área, hoje no futebol brasileiro ninguém chega perto, então porque comparar Hernane com o cara, como já li hoje? É querer sofrer, é querer viver uma realidade que já foi.

Outro mantra que ouço sempre, compre que o torcedor paga, paga nada, os valores hoje são irreais. Aqui abro uma parênteses, como a Direção adora alardear que o Bahia está em um bom momento financeiro, canso de ler que o Bahia está rico e pode trazer qualquer jogador brasileiro ou sul-americano, na boa, o Bahia divulgou um orçamento de R$ 8 milhões para investir em atleta, não compra nem Juninho com esta grana. Infelizmente, ainda teremos de viver um bom tempo dependendo de empréstimos de jogadores reservas como Gustavo e Alione, ou apostando em promessas como Juninho e Rafael. Alguns vingam como Fernandão e Juninho, outros fracassam como Thiago Ribeiro e Tinga, mas é assim em todos os times do mundo não só aqui. Ibra e Henry fracassaram no Barça de Messi, simples assim.

Enfim, sempre exalto a torcida tricolor aqui, mas se insistimos em viver no passado, cobrando da diretoria e dos jogadores algo que não serão capazes de nos entregar, corremos sérios riscos de nos desiludir e levar o clube novamente a uma era das trevas. Vamos viver a nova realidade, cobrar dentro dos limites alcançáveis e apoiar o time dentro, no que somos imbatíveis, e fora, no que ainda estamos engatinhando, de campo. No mais, relembrar o passado é sempre bom, por isto vou terminar este texto com a mesma canção relembrando algo que fiz muito e ainda ei de fazer

Eu Também vou
Terça na levada do Olodum
Eu vou Também terça lá nas bandas do Pelo
Eu Vou também

Com meu amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.