Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Prudência ou leseira?

Martinho da Vila imortalizou com sua cadenciada voz o verso "É devagar, é devagar, é devagar, é devagar, devagarinho". Por sua vez, Jorge Ben Jor com seu swing cravou "Prudência e dinheiro no bolso, canja de galinha não faz mal a ninguém". Pois bem, até hoje não compreendi a demora da direção do Bahia em anunciar o próximo treinador, é prudência ou é leseira mesmo?

Não sou muito de criticar a diretoria, entendo que os méritos são maiores do que os defeitos e, até por dever de ofício, sei que tomar algumas decisões, onde erro e acerto são irmãos siameses, não é fácil e requer tempo para pensar. Mas, já se vão quase duas semanas da saída de Jorginho e nada de anúncio do novo técnico. Pior, a atual semana foi de tempo integral para treinamentos. Sendo direto, sou contra a efetivação de Preto, explico os motivos mais adiante, mas se a direção o quer, efetive logo o cara e vamos ver no que vai dar. O que não pode é ficar um elenco sendo comandado por um inexperiente interino e o tempo passando sem a Direção se manifestar.

Nada pessoal contra Preto, serei sempre grato pelo um das mais belos gols que vi ao vivo na Fonte, o primeiro da final do Nordestão de 2001; reconheço que foi um dos poucos jogadores que deu certo no Bahia após passar bem pelo Vice, se juntando a um seleto grupo comandado por Osni; reconheço também que Preto era um jogador de boa técnica, inteligente, e que sabia ler o jogo como poucos. Porém, não consigo enxergar Preto como o novo treinador do Bahia. Explico, após encerrar a carreira, ele foi cuidar dos seus negócios, pelo que dizem, é um empresário bem sucedido, ou seja, foi tocar a vida longe do ambiente do futebol. Voltou ano passado para ser um misto de gerente, era o que anunciavam a princípio, e de auxiliar técnico de Guto. Pelo que sei, posso estar enganado, esta é a experiência do mesmo ao lado das 4 linhas.



Me assusta também, a necessidade dos jogadores em anunciar total apoio ao interino, me passa a sensação de que estão divulgando este apoio justamente por saber que o cara não está pronto para a difícil missão, ou seja, tipo "nós tentamos e apoiamos, mas ele não tinha condições de assumir a missão". Nós já sabemos, para o bem, ou para o mal, do que este grupo é capaz, nem preciso entrar em detalhes aqui.

Vejo alguns torcedores comparando Preto com Zé Ricardo e Carile, na minha opinião, estão totalmente enganados, Zé Ricardo era treinador da base do Fla há um tempo; já Carile foi auxiliar por 8 anos, mesmo assim não conseguiu ser efetivado ano passado com a Série A rolando, assumiu por 3 ou 4 jogos, saiu, quase se queimando, e voltou depois do fracasso de seus substitutos e porque o Gambá estava com limitação de gasto. Ou seja, todos, incluo nesta lista também Róger, já tinham experiência mais longa na função de técnico ou auxiliar.

Olhando o lado da Diretoria, o mercado brasileiro de técnico é caro e as opções são escassas, e a torcida não aceitaria qualquer nome. Ademais, o Bahia tem de trazer um técnico cujo o estilo de jogo se adapte ao elenco atual. Não adianta trazer treinadores que valorizam o toque de bola, já vimos o que deu com Jorginho. Nosso elenco foi montado para jogar sem a bola pressionando a saída de bola do adversário, e com a bola, com poucos toques, em velocidade, e sempre em direção ao gol, assim, no 4-2-3-1, fizemos boas partidas dentro de casa e sofremos fora. Por sito, dou um desconto, pois não deve estar fácil encontrar o nome certo para o momento.

Vou dar um chute aqui, MS e sua trupe devem estão esperando o jogo de domingo, um bom resultado, mesmo que seja um empate sem sofrer muito sufoco, efetivam Preto. Uma derrota de forma acachapante, teremos novidades no Fazendão na próxima semana.

Por fim, acho o fato do churrasco tão irrelevante que nem merece comentário. Só estranhei a cerveja, bem no nível do futebol de algum dos participantes.

Um comentário:

  1. O elenco está favorável à efetivação de Preto, porém não vejo com bons olhos esta demonstração de apoio. A diretoria não pode ficar a mercê do gosto dos jogadores. Quem tem que decidir sobre o treinador é a diretoria, que é a responsável sobre o melhor para o clube.

    Preto pode falar a língua do boleiro, gostar de confraternizações e já conhecer o elenco, mas a fama de pátio curto e desagregador o credencia a sair do 10 para o zero em segundos. Basta uma fagulha para o elenco se indispor com ele.

    O mercado brasileiro está pobre de bons treinadores, mas a diretoria pecou pela precipitação na saída de Guto, quando não analisou as características do elenco ao se decidir por Jorginho.

    Até entendo que a prudência seja a tônica do momento para não comprometer o "fico" na série A, porém pensar em efetivar Preto é uma tremenda roleta-russa. Tivemos um exemplo recente pelas bandas do aterro sanitário do que é uma decisão tresloucada que bagunça geral, quando o nosso vice de estimação resolveu efetivar Petkovic, um inexperiente e desagregador quanto Preto.

    ResponderExcluir

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.