Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Bom e ruim para os dois


O resultado foi bom para o Bahia que reverteu a vantagem e joga por um empate na próxima partida, contudo foi bom para o Vice que mesmo totalmente dominado na segunda etapa, perdeu por apenas um gol e joga por um triunfo simples na próxima partida. O resultado foi ruim para o Bahia que tomou um gol quando era senhor da situação e tinha tudo para ampliar, porém foi ruim para o rival que terá de partir para cima de um time tecnicamente superior e com um ataque muito veloz.



Foi um bom jogo, as duas torcidas, mesmo tendo motivos para lamentar, ficaram satisfeitas pois viram dois times que se preocuparam em jogar bola e na bola. Nada de entreveiros, de empurra-empurra e de bate-boca. Os jogadores estavam focados em jogar e, mesmo com limitações, fizeram sua parte para o espetáculo.



O jogo começou com o rival melhor colocado em campo. Mancini mais uma vez surpreendeu, avançou a marcação e colocou William Corrêa colocado em Vinícius. A tática deu certo, o Bahia nada fez em 15 minutos e insistia em perder a bola na sua intermediária, praticamente todos da parte defensiva entregaram a bola pelo menos uma vez.



Com o passar do tempo, eles perderam a força na marcação avançada e o Bahia descobriu em Marco Antônio sua válvula de escape -como jogou bola o moleque, Lucas teve pesadelo com ele-. O jogo ficou equilibrado com as defesas predominando sobre os ataques. Neste cenário de equilíbrio, Thiago -mas uma na temporada- quase entrega o baba, perdeu a bola para Neilton que tocou para o centroavante que se enrolou e permitiu a recuperação de Thiago. 

Na sequência deste lance, o Bahia pôs o mamão na roda e Vinícius, mostrou porque precisava de marcação individual, tabelou com Zé Rafael e meteu a bola pelo meio das pernas do marcador para Edigar Junio que não perdoou, 1x0 Bahia, festa na Fonte. O gol mostrou algo que sempre falo aqui, é importante que os meias se aproximem para tabelar, foi assim que Vinícius conseguiu se livrar da marcação de Willian Corrêa e deixar EJ livre para marcar.



O gol deu a tranquilidade que o Bahia necessitava, e nos tornamos senhores da partida. Contudo, Nossa defesa continuava dando suas bragas, e numa delas, Neílton apareceu livre na cara de Douglas que salvou fora da grande área. Este foi o lance mais polêmico do jogo, o juiz marcou mão e partiu na direção do nosso goleiro, depois das reclamações dos atletas tricolores, resolveu consultar o bandeirinha e confirmou a falta, contudo só deu amarelo para Douglas. Na boa, esta foi uma decisão salomônica, ou não dava nada ou expulsava Douglas. No replay ficou claro que a bola não pegou na mão, mas na velocidade do lance não seria absurdo o juiz expulsar nosso goleiro. 



Marco Antônio continuava infernizando pela esquerda e numa destas deixou Zé Rafael com o gol vazio dentro da pequena área, mas sabe lá onde ZR estava com a cabeça que não vi a bola chegando e perdeu um gol incrível. 



Na segunda etapa, o Bahia que voltou com a marcação alta, o que deu resultado, a defesa do Mamão se enrolou e nos entregou a bola várias vezes.  MA se destacou nas roubadas de bola, mas se consagrou mesmo foi no passe para Vinícius por trás da zaga, forçando o goleiro deles a fazer pênalti, aqui também caberia uma expulsão, mas contemporizou lá, contemporizou cá, e os dois times permaneceram com 11. 



Vinícius cobrou com maestria e marcou o segundo do Bahia. Éramos os donos do jogo, a qualquer hora poderia sair o terceiro, mas numa bela jogada, tabela perfeita, eles diminuíram o placar. Depois do gol deles, o Bahia sentiu o gol e puxou o freio por uns 5 minutos, mas logo voltou a ser dono do jogo, as chances voltaram a aparecer e não tivemos competência para ampliar o placar. A jogada de MA e EJ deixando Léo na cara do gol foi perfeita, tipo de bola que merece entrar só pela plástica da jogada.

Sob a saída de Vinícius para entrar Régis, novamente jogou bem, eu não teria feito isto. Mas, analisando com mais calma, entendo que a saída de Vinícius deu uma desmanchada na defesa deles, já que Willian Corrêa que marcava Vinícius individualmente, ficou meio perdido, com isto Régis e Alione (entrou no lugar de Marco Antônio) tiveram muito espaço e criaram algumas boas situações, destaque para a tabaca de Régias que quase vira um golaço na Fonte.

Encerro destacando a atuação de Marco Antônio, enquanto teve perna, o moleque jogou demais, mostrou uma personalidade incomum para quem disputa seu primeiro clássico no profissional. Só não foi perfeito porque insistiu em chutar algumas bolas a gol quando podia procurar a tabela com quem estava mais perto.

Deixamos de garantir o título ontem, mas mostramos que temos totais condições de parar o Vice no Barradão. Ademais, a estatística está do nosso lado, nos últimos anos quem chegou com a vantagem no último jogo levou. No Barradão, a primeira lição é fechar a casinha, deixar Lucas e Thiago menos expostos, depois é partir no contrataque, em especial pela esquerda com MA, e brocar a leoa com gosto. Rumo ao título.

2 comentários:

  1. Se bem explorado o contra ataque pode ser uma arma bastante interessante

    ResponderExcluir
  2. Bem observado, NA sentou no cansaço, mas enquanto cadenciou o ataque foi crucial para desestruturar a saga bizantina. #BBMP

    ResponderExcluir

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.