Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Eu tava lá

Hoje tem Bahia x Saci, impossível não lembrar de fevereiro de 1989, quando conquistamos nosso bi Brasileiro sobre o Colorado dos Pampas. Sei que as situações são bem distintas, os times então nem se fala, eles tinham Tafarel - melhor goleiro brasileiro que vi jogar - hoje tem Lomba; do nosso lado, o volante e craque do time era Paulo Rodrigues, hoje temos Gregore. Ou seja, não tem como comparar. Contudo, estamos vivendo um bom momento, jogando uma bola de gente grande, e eles são os segundos colocados do campeonato, se não me engano, venceram as duas últimas fora de casa.

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Orgulho de ser Bahia

Quando fui morar em SSA na década de 80, inocente, puro e besta, como diria Raul, existiam duas redes de mercado, o Paes Mendonça, uma espécie de gigante estadual, e a Unimar, uma espécie de Vice. Lembro do alvoroço quando o Paes Mendonça abriu o Hiper ao lado do Iguatemi, virou quase um ponto turístico da cidade. Também nessa década começou a nacionalização das redes estaduais, e o Pão de Açúcar, com o lema "orgulho de ser brasileiro", começava chegar no Nordeste. Por sua vez, a rede Bom Preço, se não me engano pernambucana, chegava em SSA, com o lema "orgulho de ser nordestino". Mas, que porra este lenga-lenga sobre mercados tem a ver com o jogo de ontem? Tem a ver com o resgaste do orgulho do torcedor tricolor. 

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Em ritmo de rock

Gostei muito da última atuação do Bahia, não foi uma exibição de gala, mas foi mais uma atuação consistente e equilibrada da equipe, o que já tinha acontecido na partida com o Fluminense. Se nas partidas contra o Palmeiras e Atlético, nossos volantes e nossa defesa deram muito espaço aos atacantes adversários, isto não aconteceu contra o América/MG, o time foi compacto na defesa e no ataque, defendeu e atacou em bloco.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Dois pontos perdidos

O Bahia jogou bola demais no primeiro tempo ontem. Zé Rafael e Vinícius na parte ofensiva, e Élton no desarme, além da estreia cheia de gás e personalidade de Paulinho fizeram o Bahia jogar um futebol soberbo e dominar o Fluminense durante todos os 45 minutos iniciais. Enfim, começamos a jogar fora de casa como atuamos na Fonte e a torcida gosta. O Bahia popôs o jogo e ocupou o campo como se fosse o mandante, acurralando o adversário e calando sua torcida.

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Dúvida boa

Hoje é dia de Bahia x Porco. O retrospecto recente mostra que não será um jogo fácil, são 2 derrotas e 1 empate, 4 gols feitos e 9 tomados. Ano passado, em um jogo eletrizante, no qual merecíamos melhor sorte, perdemos por 4x2 na Fonte. Os outros dois foram lá, um empate se 2x2, quando saímos atrás, mas Edigar, em excelente fase, decretou o empate. E, mais recentemente, perdemos por 3x0, num jogo que Keno infernizou a vida de Nino e Everson. Até esboçamos uma reação no segundo tempo, mas foi muito pouco.