Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Em ritmo de rock

Gostei muito da última atuação do Bahia, não foi uma exibição de gala, mas foi mais uma atuação consistente e equilibrada da equipe, o que já tinha acontecido na partida com o Fluminense. Se nas partidas contra o Palmeiras e Atlético, nossos volantes e nossa defesa deram muito espaço aos atacantes adversários, isto não aconteceu contra o América/MG, o time foi compacto na defesa e no ataque, defendeu e atacou em bloco.

Parafraseando Nando Reis, Enderson chegou para realinhar as órbitas dos jogadores tricolores, vemos agora um time onde cada um sabe o que fazer em campo e por onde orbitar. Sai o titular, mas o reserva que entra sabe exatamente por qual zona do campo deve atuar e como deve se comportar em campo. Não deu para perceber a ausência de Gregore, Flávio fez certinho o papel de carteiro, recebia a encomenda na defesa e entregava na porta (pés) dos meias e atacantes, me lembrou o carteiro de ECT, bela canção de Brown e Nando Reis, imortalizada por Cássia Eller.

As imagens mostram como o Bahia atacou em bloco, nas duas, podemos ver sete ou oito atacantes do Bahia perto da grande área adversária. O interessante desta jogada foi que Vinícius entrou na área e, no rebote da jogada, deixou Gilberto em condições de marcar. A porrada foi certa, só um pouco alta.




A imagem de cima mostra mais um aspecto que começa a aparecer no time Enderson, a jogada ensaiada. Contra o Fluminense, Vinícius cobrou um escanteio aberto no segundo pau para Bruno pegar de primeira. Nesta imagem, Vinícius cobrou para Léo pegar de primeira. Pena que nas duas jogadas, nossos laterais não pegaram em cheio na bola, mas já vale pela jogada e por assustar os próximos adversários que terão de dividir a atenção da zaga, o que pode facilitar a vida dos nossos jogadores que estão na área para cabecear.

Defensivamente também estamos fazendo nosso papel de forma conjunta e compacta. Sempre disse aqui que a atuação dos zagueiros está diretamente ligada à proteção que recebem dos volantes. Flávio e Élton foram muito bem, com isto Thiago e Lucas fizeram uma partida tranquila e sem erros.






Nas imagens acima, podemos contar pelo menos 7 jogadores do Bahia atrás da linha da bola, em todas vemos que os atletas do adversário estão sem espaço para criar, sendo sempre acompanhados de perto por um tricolor. Na primeira, percebe-se que o atleta com a bola está com espaço, e foi justamente o lance mais perigoso deles, exigindo de Anderson uma grande defesa.

Novamente parafraseando Nando Reis, agora em Relicário e em Por onde Andei, o Bahia não estava em paz quando Enderson chegou. Agora o cenário é outro, a paz e tranquilidade reinam no fazendão. Os questionamentos sobre a qualidade do elenco diminuíram, e não estamos atrasados para mostrar que ainda dá tempo para chegar longe no Brasileirão e nas demais competições. A confiança que não é uma bobagem nem uma irrelevância no futebol, era o que faltava para nosso time subir de produção e mostrar ao que veio em 2018. Aquele futebol que a torcida procurava por onde andava, apareceu, e estamos rindo pelos quatros cantos.

Não sei o que acontecerá na quinta, mas independentemente do que aconteça, este é o Bahia que quero. Acho que o Porco é franco favorito, elenco maior e mais qualificado, consequentemente, jogadores mais descansados. Contudo, nosso conjunto está mais afinado, e como diz, os Titãs em Marvin, agora é com vocês, faça o seu melhor, pois o seu destino eu sei de cor.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.