Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Agonia da porra


Porra, hoje acordei numa ansiedade da porra. Logo decidi que tinha de escrever um texto para extravasar o nervoso e dividir a ansiedade com a galera, porém a inspiração estava zero, tentei me inspirar lembrando de algumas músicas, nada, o vazio continuava. Só que antes de sentar em frente a um computador, tinha um fisioterapia. Enquanto errava um exercício, a contagem da série e não prestava atenção nos comandos da fisioterapeuta, percebi que não se tratava de ansiedade, nervoso ou angústia, na verdade eu tô é agoniado. Pois é, nada mais baiano, nada mais Bahia do que esta agonia antes dos grandes jogos.


Agonia da porra para ver a torcida lotar a Fonte e cantar a todo pulmão sua paixão pelo tricolor; agonia da mísera para ver a bola rolar e o Bahia partir para cima do Grêmio com a fome e a força de um predador; agonia da disgrama de gritar BORA BAHÊA, MINHA PORRA; PEGA, PORRA na hora do gol; e AQUI É BAHÊA no final e com a vaga na semi nas mãos. Sem dizer do cerca; acorda, mísera; num dá mole não; e chuta, disgrama; que saem da boca a cada LANCE do jogo.

Junto com a agonia veio o banzo do time de 81 e do seu histórico triunfo de 5x0 sobre o Santinha com atuação de gala do gênio Gilson Gênio ao lado do craque Léo Oliveira; banzo de quando eu ia na Fonte bater palma para o esquadrão de 85 com Marinho, Celso, Emo e Ronaldo Marques comandados pelo maestro Leandro; banzo de 88, do time campeão, do time que encantou o Brasil com a cantada elegância sutil de Bobô, mas com o protagonismo de Zé Carlos; a onipresença de Paulo Rodrigues (o craque do time, na minha opinião); o faro de gol de Charles; os vôos mirabolantes de Ronaldo; e a garra e determinação de Marquinhos e Gil, para ficar nos atletas que vieram de Sergipe; além da fome de vencer da galera do interior e da base Claudir, Edinho, Sales, Tarantini, João Marcelo, Dico, etc, etc, etc.

Banzo também de Lourinho e seus bonecos, como eu queria ver um boneco vendando a visão de Paulo Victor; amarrando as pernas de Geromel e Kaneman; congelando Cebolinha e Luan. Banzo do anãozinho fechando a trave e sendo expulso pelo juiz para poder começar a partida. Desculpem esta longa volta ao passado, mas agonia como a que estou hoje eu só senti em fevereiro de 89, quando, em situação bem similar a atual, eliminamos o Sport – jogo duro da zorra – e passamos por cima dos favoritos Fluminense e Inter.

Por fim, se eu pudesse dizer algo aos jogadores, eu falaria, joguem por vocês, por suas carreiras, por seus familiares e pelo clube que honra seus compromissos; mas, sobretudo, joguem por nós que respiramos e transpiramos paixão pelo Bahêa, que dormimos, sonhamos e acordamos pensando neste jogo, neste momento de poder sentir a sensação de ser um dos 4 melhores times do país. Se por ventura faltar força, não abaixem a cabeça, olhem para a arquibancada, olhem atentamente no semblante e no olhar de cada torcedor, ali vocês vão encontrar a energia, a garra, o sangue nos olhos e fome de vencer que separa os grandes campeões dos normais. É isto, sempre se lembrem em campo, não somos 11, somos mais de 4 milhões lutando por esta vaga e nada vai nos parar.

A agonia é grande, mas a fé em todos os santos é maior, hoje vai dar Bahia e Salvador não vai dormir. AQUI É BAHÊA, PORRA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.