Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

terça-feira, 22 de outubro de 2019

O Mayday tricolor


Num destes canais de tv a cabo passa um programa, Mayday, sobre desastre aéreo. Mayday é a palavra usada pelos pilotos em momento de emergência. Pois bem, ontem, me senti num desastre aéreo. Os resultados do final de semana decolaram a aeronave tricolor; mas quando o jogo começou, deu logo para reparar que o vôo teria algumas turbulências; com o gol de Arthur, alcançamos a velocidade de cruzeiro, e parecia que chegaríamos ao destino final, o G5, sem grandes problemas; contudo, quando se aproximava o final do jogo, nosso avião deu uma pane total e um vento vindo lá do alto do Nordeste derrubou o Bahia, deixando atônito os milhares de tricolores que estavam em Pituaço e os milhões que assistiam o jogo pela tv.

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Por que Sobahea?


Há muito tempo, dois paradoxos atormentam a humanidade. O primeiro, “quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?”, enfim foi solucionado em 2018. Agora todo mundo sabe que foi o ovo, pois as galinhas estão sempre em segundo. O outro paradoxo ainda está sem solução, “Tostines vende mais porque é fresquinho, ou é fresquinho porque vende mais?”.

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Queimando a língua



No sucesso Vaca Profana, Caetano deu uma sacaneada nos caretas. Hoje foi dia de Roger e o Bahia queimarem a língua dos cornetas. O time ruim, formado por pernas de pau, foi em Porto Alegre e, pela primeira vez, derrotou o Grêmio, semi finalista da libertadores, em seus domínios.

domingo, 13 de outubro de 2019

Hora de tomar tenência

Nos últimos 3 jogos, o Bahia marcou 1 pontos, duas derrotas e 1 empate. Uma partida excelente, apesar da derrota, contra o Brisa; uma partida preguiçosa e cheia de desfalques contra o São Paulo; e uma partida displicente contra o Fluminense. Criamos um caminhão de chances, mas só brocamos uma mísera vez.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Faltou pernas, ar e futebol


Sendo bem direto, com o futebol apresentado pelas duas equipes, o 0x0 foi mais que justo, foi um prêmio ao bom futebol jogado pelo Bahia na derrota para o Brisa VARanaense e no triunfo sobre o Bota. Ainda tivemos um pouco de futebol no primeiro tempo, mas o segundo foi lastimável, os dois times com meio metro de língua do lado de fora, totalmente desorganizados em campo, errando passes de 3 metros, nada que lembrava um duelo entre o sétimo e sexto colocado da Série A.

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Caça ao bode


Em junho de 2016, escrevi o post “Toda casa da mãe Joana precisa de um bode expiatório” (http://www.sobahea.net/2016/06/toda-casa-da-mae-joana-precisa-de-um.html), no qual eu analisava a situação do Bahia a partir das duas expressões populares. Hoje, estamos muito longe do que se costuma chamar Casa de Mãe Joana, contudo, no seio da nossa torcida está cada vez mais forte a necessidade de se eleger um bode expiatório.

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Um dia para sempre

Ontem, um colega lançou uma pergunta no grupo da Embaixada em Brasília. 

Qual o jogo mais emocionante da vida de vocês? colocando como opções:

1. Semi-final 88: 2 x 1 Flu
2. Jogos finais de 88
3. Bavi do histórico gol de Raudinei
4. Bavi de 1979, final, com gol de Fito Neves à longa distância com frangaço de Gelson
5. Bahia X Fast em 2007
6. Bahia 5 x 0 Santa Cruz

domingo, 6 de outubro de 2019

Pancadaria da zorra

Bahia e Athlético são dois lutadores que pertencem a mesma categoria. Pesos e poder de punch equivalentes, alturas similares, velocidade nas pernas iguais, só que o Athlético tem um pouco mais de envergadura, o que lhe permite controlar melhor a distância da luta, atingindo o adversário e recuando mais facilmente. 

terça-feira, 1 de outubro de 2019

Meu Bahia brocou, viu porra

- Fala, Sinha Miséra!!! - Feliz pra porra, Negão, o Bahêa só brocando - Fala não. Só não cumir água a noite toda porque era segunda. - O time está bem seguro, controlou o jogo na boa. - Isto, só não precisava daquela maresia toda no segundo tempo. - Tem razão, mas nosso paredão estava lá para fechar o gol. - O sacana não tomou gol em 12 jogos do Brasileirão. Pega até vento. - Outro que tá um monstro é Elbinho. Jogando muito o sacana. - Aquele gol de ontem foi de quem está com muita confiança. Puxou pro lado e largou o petardo. - E o lançamento no segundo gol? Parecia um meia clássico. Deixou Cabeça de Nós Todos em excelentes condições. - Por falar em meia, Guerra começou a jogar bola. - Que porra é esta? O gringo não tá jogando nada. Gosto daqueles meias que pegam a bola e partem para dentro do adversário. - Seu problema é este, se o cara não faz o que vc quer, vc já queima logo. - Que porra que ele está fazendo? - Entendo que meia tem de dar opção ao time, tem de aparecer para fazer o time jogar. Ontem, Guerra apareceu na frente e vinha lá na zaga buscar a bola. Sem dizer que ele e Élber fizeram um revezamento na ponta e no meio que confundiu a marcação adversária. - Vc tem razão. No primeiro gol, ele passa e leva o lateral com ele. Facilitou a vida de Elbinho. - Outro que vem fazendo seu papel direitinho é Flávio. - Isto. Não gostava do futebol dele. Mas, a sequência de jogos fizeram bem ao viado, corre o tempo todo, marca na grande área adversária e sempre aparece para receber o passe. - Falou, porra. Sábado é encher a Fonte e BROCAR os paranaenses. - Isto. Comprei umas 3 caixas de periguete na promoção. Leva uma corda de caranguejo. Vou falar com a galera, cumemos água e depois descemos para a Fonte. - Beleza. Mas, vamos para a Fonte. Quem desce é as galinhas.