Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

domingo, 6 de outubro de 2019

Pancadaria da zorra

Bahia e Athlético são dois lutadores que pertencem a mesma categoria. Pesos e poder de punch equivalentes, alturas similares, velocidade nas pernas iguais, só que o Athlético tem um pouco mais de envergadura, o que lhe permite controlar melhor a distância da luta, atingindo o adversário e recuando mais facilmente. 


Em confrontos assim, o mais comum é os adversários se estudarem por um tempo, tentando ver o que o outro tem para apresentar e como está naquele dia. Mas, não foi o que vimos na Fonte Nova, desde os primeiros segundos quando Arthur arrancou pela direita e conseguiu um escanteio, a trocação foi intensa entre os dois times. Nada de ficar rondando o oponente, soltando jabs para marcar o território. 

O jogo foi uma avassaladora troca de diretos, cruzados e uppers. Os dois times praticaram durante todo o primeiro tempo um futebol vertical, com muita velocidade e sempre procurando o gol. O Bahia foi mais preciso. Soube diminuir a distância e deixou o Athlético grogue com uma sequência de direto de direita (bola na trave de Gilberto, após bom cruzamento de Arthur); e cruzado de esquerda (com Gilberto isolando a bola por cima do gol, após excelente jogada de Élber). Estes lances demonstram como o Bahia encontrou o equilíbrio ofensivo após o retorno de Élber ao time, atacamos pela direita e esquerda com a mesma qualidade. 

O Athlético bambeou, mas não caiu, e o primeiro tempo acabou com os dois times em pé e no centro do ringue. Na volta do intervalo, o Athlético aproveitou a sua melhor envergadura e conseguia controlar a luta, mantendo o Bahia longe da sua área, porém, o Bahia com a guarda bem fechada, se mantinha no centro do ringue, nada de por as costas nas cordas. 

Numa jogada espetacular de Élber - jogando bola demais, confiança lá em cima - que saiu do nosso campo e só foi parado na área adversária, Gilberto pegou o rebote e colocou a bola na trave. O adversário dobrou os joelhos, se segurou nas cordas e não foi à lona. 

Na sequência, num escanteio, vacilamos no primeiro pau - parte da torcida insiste em culpar Moisés lá no meio da área- e tomamos o primeiro Knock down da noite. O juiz abriu contagem, mas o Bahia levantou e, mesmo grogue, conseguiu balançar de novo o oponente. Numa cobrança de falta de Lucca, Nino pegou o rebote e livre jogou a bola na trave. Mas, uma vez, o Athlético balançou mas não caiu. 




O boxe é conhecido como a nobre arte e uma das suas artimanhas mais belas é o contrataque. O Bahia é mestre nisto, temos sem dúvidas um dos melhores contrataque do Brasil com Arthur e Élber. E foi justamente na nossa especialidade que caímos pela segunda vez, recebemos um potente soco no fígado e caímos de cara na lona. A potência deste golpe no fígado fez o Bahia perder o fôlego. 

O Athlético passou a usar sua envergadura e nos machucava com jabs, nos mantendo a uma distância segura do seu gol. Mas, quem tem Nino pode esperar coisa boa a qualquer momento. Numa arrancada, o sacana botou a bola na cabeça de Fernandão que soltou um diretaço no gol defendido por Santos, levando o Athlético à lona pela primeira vez. 

Ainda dava tempo de empatar e até virar, eram 35 minutos do segundo tempo. Mas, o Bahia extenuado não tinha mais a mesma potência nos golpes, o oponente soube usar sua envergadura e controlou a luta, levando em banho Maria até o final, pois sabia que ganharia por pontos. Perdemos, mas caímos de pé. 

Os aplausos da torcida no final do jogo foi um merecido reconhecimento ao esforço e à grande luta travada pelo tricolor de igual para igual com um adversário mortal. Com a pegada de ontem, o Bahia ainda nos dará muitas alegrias este ano, vários adversários vão beijar a lona e ouvir a contagem do juiz. O mais importante é que continuamos firmes, fortes, de cabeça erguida, de guarda fechada e punhos afiados na luta pela vaga na Libertadores. BBMP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.