Marca SóBahêa

Marca SóBahêa

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Chegou o dia


Enfim chegou o dia de gritar “toca a bola, miséra”, “que jogador burro da porra”, “marca, disgraça”, “comé que que perde um gol deste”, “este sacana não joga no meu baba na Ribeira”, “um fdp da puta deste não pode vestir a camisa do Bahia”, entre outros elogios que soltamos durante o jogo. Mas, o que todos queremos mesmo é poder berrar “pega, poooorra”, “aqui é Bahia”, e o mais que tradicional e universal “Bora Bahêa”.

A agonia vai começar pelo Baianinho. Por mim já tinha acabado, era Série A 10 meses nos finais de semana, com a Copa do Nordeste nas quartas e quintas. Baianinho tem de ser a Série E do Brasileirão e ponto. Mas, já que não mando em nada, o campeonato está aí e o Bahia está na disputa. E se está na disputa, é para ganhar, não importa se com o time principal ou com o chamado time de transição. Conheço pouco ou quase nada do time que vai disputar o Baianinho, vi partes de alguns jogos ano passado. O que mais me chamou atenção positivamente foi a velocidade do time, os caras saem muito bem em contrataque, com passes em profundidade e com movimentação compactada, chegando com 2 ou 3 em condições de concluir a gol.

Isto é bom, mas é pouco, pois fora de casa vamos enfrentar verdadeiros pastos, aonde este tipo de jogada fica prejudicada. Em casa, vamos enfrentar times retrancados que nos darão poucas chances de impor este tipo de jogo. Por isto, vi com muito bons olhos o trabalho da diretoria para reforçar o elenco, trazendo jogadores mais experientes e que podem oferecer novas alternativas de jogo ao time durante ao jogos. A chegada de jogadores que atuam pelo meio como Ramon e Arthur Rezende é uma prova que o treinador quer ter mais opções durante o jogo.

Enfim, o Bahia está certíssimo em utilizar o sub-23 neste arremedo de campeonato que é o Baianinho. Cabe a nós torcedores, compreendermos isto e apoiar o clube e os jogadores nesta dura jornada. Vamos cobrar, mas sobretudo, vamos entender que este é um passo importante para podermos crescer no desempenho do time principal.




Já no sábado, a Copa do Nordeste, o principal foco do Bahia no primeiro semestre, começa para valer. De cara, o Bahia pega fora de casa o combalido, mas sempre tradicional Santa Cruz. Entramos como favoritos, mesmo o jogo sendo lá, mas não será fácil, a tradição pesa neste tipo de jogo. Será a primeira partida do time no ano, os caras vão sentir o peso nas pernas com certeza, temos de matar logo no primeiro tempo, para segurar no segundo.

O Bahia vem com uma base forte do ano passado, começando pela cozinha, mantivemos praticamente toda a defesa, No gol, Douglas continua sem concorrência. Na lateral direita, entendo que é o momento de JP. Nino é mais experiente, veloz e joga com uma intensidade tremenda, mas JP é mais jogador e é mais lúcido na definição das jogadas, por isto começaria o ano com ele. No meio da zaga, o Bahia manteve o quarteto do ano passado, LF, Ernando e Juninho tiveram mais bons momentos do que ruins, espero que continuem assim, mas Wanderson precisa evoluir muito, ano passado, talvez pela falta de ritmo, se mostrou um zagueiro inseguro e pesado. De qualquer forma, os 4 dão conta para a CNE. Na lateral esquerda veio a grande mudança, saiu Moisés e chegaram Capixaba e Zeca. Manteria Moisés, mas não vejo grandes perdas ou ganhos com esta troca. O bom é que agora temos dois laterais que se equivalem, mas que possuem estilo de jogo diferente, o que é bom para confundir o adversário. Enquanto Capixaba é canhoto e busca mais a linha de fundo, Zeca é destro e corta para dentro para concluir a gol. Acho que Capixaba vem num melhor momento, apesar da eterna reserva no Grêmio, mas eu começaria o ano com Zeca, pois tem mais bagagem e mais qualidades.

No meio, o Bahia manteve o cão de guarda Gregore, a formiguinha Flávio e, o criticado Élton. Trouxe Jadson, desconheço, não sou capaz de fazer nenhum comentário sobre este jogador, e Daniel. Não vejo nenhum deles com característica para ser o 10, mas sinceramente, acho que o time não precisa disto, pois o que importa é a bola chegar com qualidade nos jogadores de frente, e isto Daniel mostrou ter capacidade de fazer. Começaria o ano com Gregore, Flávio e Daniel. Mas, como já disse em outras oportunidades, ao contrário da maioria da torcida, acho Élton um jogador muito útil neste esquema do Bahia, ele em forma, é titular no meu time no lugar de Flávio.

No ataque, perdemos Arthur, mas trouxemos Clayson e Rossi. Acho que sentiremos muita falta de Arthur, mas vejo que os dois que trouxemos podem acrescentar muito ao time no último passe, não por acaso foram campeões de assistências em seus times na A, suprindo uma grande deficiência tricolor em 2019. Dos 5 que ficaram, Gilberto é titular absoluto, mas os outros 4 precisam jogar mais do que em 2019 para justificara permanência no time ou, até mesmo, no grupo principal do Bahia. Acho que Roger vai começar o ano com Élber como titular, mas com o tempo, Rossi vai ganhar a posição.

Por fim, nas ciências políticas se usa muito o termo assimetria de informação. Isto ocorre quando um lado tem muito mais informações do que o outro, sendo assim tem mais condições de tomar uma decisão. É assim que me sinto em relação à permanência de Roger, eu não manteria, mas entendo que a diretoria tem muito mais informações e condições de decidir sobre a sua manutenção do que eu. Só espero que Roger saiba aproveitar todo o potencial do elenco, ano passado se limitou a jogar sempre com dois atacantes de lado, variando apenas na troca de um volante por um meia. É muito pouco, tínhamos e temos elenco que propiciam outras alternativas, por exemplo, podemos jogar com 4 no meio e dois atacantes mais centralizados na frente, esquema que beneficiaria AK.

Esquema tático (4-2-3-1, 4-3-2-1, 4-4-2, 4-3-3, 4-5-1) ganha jogo, mas o que ganha campeonato é movimentação quando estiver com a bola e compactação quando estiver sem ela. A movimentação vai permitir que nossos jogadores se aproximem mais, facilitando os passes, deficiência grave me 2019, e o surgimento de espaços na defesa adversária. A compactação vai dificultar a vida do adversário, proteger nossa defesa e nos propiciar a roubada de bola para partir em contrataque.


Meu time titular para sábado seria Douglas, JP, LF, Juninho e Zeca; Gregore, Flávio e Daniel; Élber, Gilberto e Clayson. Que comecem os jogos, BBMP sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezados leitores, todos os comentários são bem vindos e enriquecerão as discussões. Entretanto, solicito moderação, evitando termos agressivos e acusações sobre jogadores, comissão técnica e direção do Esquadrão.
Solicito também respeito aos demais leitores, não sendo permitido postar xingamentos.
Os comentários que não atenderem as recomendações acima não serão aprovados.